segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

CARDEAIS BRASILEIROS TÊM CHANCE DE ASSUMIR PAPADO, DIZ DOM DARCI NICIOLI

Reações: 
Dom Odilo Scheller, dom João Braz de Aviz, dom Geraldo Majella Agnelo (no alto), dom Cláudio Hummes e dom Raymundo Damasceno têm chances, segundo o bispo (Foto: Arquivo G1)   O bispo auxiliar da Arquidiocese de Aparecida e ex-reitor do Santuário Nacional, monsenhor Darci Nicioli, de 53 anos, afirmou nesta segunda-feira (11) que a decisão do Papa Bento XVI de renunciar ao cargo "dói no coração". Bento XVI fez o anúncio pessoalmente, falando em latim, durante um encontro de cardeais. Ele deixa o pontificado em 28 de fevereiro.
   Segundo Nicioli, cinco cardeais brasileiros são candidatos a ocupar o posto - dom Raymundo Damasceno, atual arcebispo de Aparecida e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Cláudio Hummes, de 78 anos, arcebispo emérito de São Paulo, Odilo Scherer, de 63 anos, atual cardeal arcebispo de São Paulo, dom João Braz de Aviz, de 66 anos, que mora em Roma e é prefeito das congregações dos religiosos em Roma, e dom Geraldo Majella Agnelo, de 79 anos, atual arcebispo emérito de Salvador (BA).
   "Todos os cardeais com menos de 80 anos são candidatos e podem votar na escolha do novo Papa, mas sabemos que depende do espírito santo. Por isso, vamos rezar muito para que seja nomeado o melhor cardeal", afirmou Nicioli ao G1.
   Ao todo, o Brasil tem nove integrantes no Colégio Cardinalício do Vaticano, mas quatro deles já ultrapassaram a idade limite. De acordo com o Vaticano, a Igreja Católica poderá ter um novo Papa para as festas da Páscoa, no próximo dia 31 de março.
  "A decisão do Papa Bento XVI está prevista no direito canônico. Nós aceitamos com dor no coração, mas entendemos e aceitamos o desejo do Santo Papa", disse Nicioli.
Candidatos
  Dom Raymundo Damasceno, atual arcebispo de Aparecida e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), disse que nenhum cardeal se sente preparado para assumir o cargo. "Ninguém pretende ser candidato a Papa, mas vamos rezar para que Deus nos ilumine para que nós possamos escolher o melhor que for para a igreja e para o mundo", afirmou.
  Damasceno afirmou ainda que a decisão do Papa Bento XVI foi inesperada e causou uma grande surpresa para os membros da igreja. "Toda missão da igreja a gente entende sempre como um serviço à igreja e ao povo de Deus. Portanto, a missão a gente deve receber com humildade, confiando sobre tudo na força de Deus porque diante de uma missão tão grande ninguém se sente preparado para isso", disse.
G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário